jeudi 19 février 2009

Revolutionary Road


Acabou-se a saga "levantar às 6h43" para ir aturar a Ala X, do Serviço 1550 do Hospital Y.

Atão, lembra-se a Deep: "Apetece-me ir ao Cinema amanhã!".

A outra vira-se: "Queres ir, amanhã?"

Repondo: "Queres ir?" (às vezes, fazemo-nos de surdas, ou até o somos mesmo, vá-se lá saber...).

Entusiasmo nos olhos de gajas "rotas".

"Vamos ao Norte! Apanhámos o «quim», depois o Metro...!", diz ela.

"Combinado!".


"Dia seguinte"


Levanto-me às 10h. Dormi que me fartei e penso: "Eu aqui a espernicar-me na cama, e aquelas que me fizeram a vida negra a trabalhar! Bem feito!".

Tomo o pequeno-almoço.

"Mãe, já vou. Xau!".


"Estação"


Comboio das 11h55.


"Metro"


Metro "Sra. da Hora". Direcção: Sete Bicas.


Norte Shopping


"Bamos buscar os bilhetes agora. Fica arrumado.", diz ela.


Bilheteira.


"Bais comer o quê?", diz ela.

"Hum, vou ao Mac... Hoje é dia de compensar o facto de ser uma «encalhada», e de ter trabalhado feita escrava.", diz a Deep.

"Oh! (ri-se) E vão duas! Bá, também bou.".


Fomos.


Pedimos e pusemo-nos numa mesa a contemplar os casalinhos adolescentes, adultos. Tédio -.-


Hora do filme.


Vamos pelo corredor a pensar ver uma versão ainda melhor do que é o Amor nos filmes (sim, apenas nos filmes parece eterno...) Eu, ia também com a voz dela... "Jack! Jack! JACK"... (Histérica, pá!).


Sala de Cinema.


15 mins de anúncios publicitários, entre os quais, versão "A minha primeira vez TAG" alongada a 5 mins, sem exagero (claro que o anúncio da Sumol não podia faltar... Portugal e o Sumol... Quase foram criados juntos).


Começa o filme.


Eles conhecem-se num Bar. April (Kate Winslet) é fumadora.

Ele, Frank, (Leonardo DiCaprio) mete-se com ela. Também fuma.

Diz-lhe que o sonho dele é ir viver para Paris. Ela ri-se.


Casam-se. Ela é actriz. Ele, ainda não sei.


Numa estreia fracassosa de April, no regresso a casa, pelo caminho no carro, ele obriga-a a falar do que ela sente. Discutem. Ele sufoca-a.


Vão viver para "Revolutionary Road", na casa dos sonhos. Tudo é perfeito. A senhoria é uma histérica (ainda mais do que "Rose", na hora de chamar o "Jack" versão "mármore").


(anos mais tarde)


Filhos. April é doméstica. Frank é um empregado de escritório de "algum sucesso", numa fábrica.


Têm dois filhos.


Ela está farta de ser doméstica. Quer ir para Paris... Quer viver o sonho dele, que também passou a ser dela! Ele, pondera. Acaba por ceder (aparentemente) numa noite em que acabou de tomar banho, vindo da sua primeira relação sexual extra-conjugal.


Ele está feliz. Manda um tema ao ar sobre o qual a fábrica deveria trabalhar, apenas por mandar, porque sabe que vai sair dali em pouco tempo. Adoram! É promovido se não for para Paris.

Ele farta-se de fumar. Ela farta-se de fumar.

Ela está grávida. Quer abortar. Para ir para Paris.


Ele não quer que ela aborte. Aceita a promoção. "Enterra-a".


Ela acaba por traí-lo com o homem de um casal amigo.


Ela está farta dele. De ele ser o "mestre" da palavra. Precisa de silêncio. Ele recalca-a por ela querer abortar. ELA QUER SILÊNCIO!


Recebem, ao almoço, a senhoria, o seu marido que nunca abre a boca, e o filho que está num Hospital Psiquiátrico por ser "inteligente demais" a Matemática. O homem, dito "maluco", manda a altos berros que Frank a engravidou para ficar e ser promovido. Ela finalmente percebe. Crise. Ela passa horas na mata... Fora da "Revolutionary Road". Volta a casa.


Acabou para ela (Shu! Isto ele ainda não sabe).


O outro dia, é o pequeno-almoço perfeito. Juntos, aparentemente.

Ele vai trabalhar.

Ela faz o aborto em casa.

Tem uma hemorragia.

Morre.


...


Ele está no jardim com os filhos. Só com os filhos. Perdeu o que "possuía". Não o que tinha.


...


A senhoria, em casa, admite ao marido que nunca gostou deles, quando no primeiro dia que os viu, e numa visita a casa deles, pediu a April para recebê-la a ela e ao filho, porque ele precisava de alguém mais jovem para contactar, e fartava-se de referir que "os adorava!". April acedeu de boa fé (sempre de boa fé... Natural. Original.).


O marido desliga o aparelho auditivo. Precisa de silêncio. SILÊNCIO! (lembrem-se que ele nunca falava).


...



Regresso a casa.


Voltámos mudas. É preciso SILÊNCIO.


7 commentaires:

Melga a dit…

O verdadeiro retrato da rotina da vida....da realidade à ficção da verdade à traição ...a distância é muito curta!

Anonyme a dit…

cada vez que dá o ''titanic'' na tv, eu faço umas horas de silêncio e apago a televisão. rsrs
há momentos das nossas vidas em que dizemos muito mais com um silêncio ''cumplice'' do que com 100 ou 1000 palavras!
por vezes é bom ficar sem palavras,seja por emoção,timidez ou surpresa.
um olhar..um carinho...um beijo..dispensam palavras e conseguem ser arrebatadores. dão-se,recebem-se e trocam-se no meio de silêncios que os elevam a um nível mais profundo do sentir.
para fugir do ''silêncio''imposto pela impossibilidade de estar contigo em silêncio, deixo-te aqui um obrigado por todas as vezes que te silenciaste para me escutar.
tu és daquelas pessoas que tem o dom de saber usar a palavra e o silêncio.
jinhos e coiso i tal!! :-))

ass:um silêncio gritante

Cristiana A. a dit…

Bem, da proxima, se nao for pedir muito, convida-me para ir ao cinema convosco! (Seja la quem for o "convosco" para alem de ti!). Serao 3 encalhadas que gostam de McDonald e que se sentiram mal a olhar os casais adolescentes, adultos...mas ainda assim se irao divertir ao faze-lo! ... Gostava muito de ver esse filme!

O silencio? Por vezes sufoca. Outras vezes enche-nos de tudo o que ha para encher e depois...depois transforma-nos em nada.
Silencio! Para ouvir quem nos respira. Para sentir quem nos bate ao coraçao... Silencio! Para que o mundo possa falar...para nos, do mundo... Silencio.

Anonyme a dit…

So assino anonimo pk da menos trabalho... menos coisas pa preencher...agora nao me apetece teclar muito... faz me varizes na polpa dos dedos... so pa dizer k passados alguns anos e estes dois veem-se outra vez nus... no cabelos brancos and no rugas...a corporation rasgaestetica parece eficaz... e k tal passarem no cantinho do piolho? Fazia vos bem aprenderem a amadurecer... ainda por cima gosto de pêras... mas so dakelas maduras... SpiCato

DeepGirl a dit…

Cristiana A.

Lol... Club das Encalhadas? Vamos fazer furor.
Quer-se dizer, a outra anda "vidrada" no treinador dos Júniores (escolhe mal, escolhe).
Sobrámos nós.
Gente, vamos arrasar!!! Preparem-se!

DeepGirl a dit…

SpiCato

Oh Maria Cato, mas alguém te perguntou alguma coisa? Tu gostas é de ... MORANGOS!

DeepGirl a dit…

um silêncio gritante

Tens um lugar aqui, sempre. Estás gravado... A "ferro e fogo". Hum... Isto soa bem, não soa? Não quero passar por... Deep "coiso i tal".

Juuuussssss******