samedi 10 mars 2012

Deus, lago

Hoje saí do trabalho, e senti a modos que uma necessidade imensa de estar com Deus. Então fui à missa. E então, alienei-me de tudo e todos e falei com Deus. Senti-O como nunca. Sem Ele, a minha existência não faria sentido. Sem Ele, não teria objectivo, caminho, ou o que querem-lhe chamar. Sinto-me um robot, criada para ajudar a salvar vidas. Sinto que fui programada para me ajoelhar no chão, debruçar-me em corpos inanimados, e salvá-los. E só percebi isto aos 16 anos. Só percebi aos 16 anos que sentia de facto Deus. O "click". Foi um "click" partilhado por um grupo que me mostrou muito, mas que não imagina o quanto.
Ainda não contente de estar com Deus, dirigi-me ao porto do lago a pé. O sol estava a deitar-se. As ondas batiam suavamente nos rochedos. Suspirei e deitei os meus maiores pensamentos à água, e envolvi-os nas ondas. Recolhi as respostas com um suspiro.

Sei que jamais regressarei a Portugal definitivamente. Sei que cá ficarei eternamente. Sei que acabarei por liderar uma equipa de enfermagem, está-me no sangue e no cérebro. Como o sei? O lago e Deus :).

3 commentaires:

Dark angel a dit…

És linda. Acredita...

Um abracinho grande e apertado***

a dit…

A inevitabilidade da nossa geração: partir sem vontade de voltar. Ainda não fui para Londres mas já sei que dificilmente voltarei para Portugal. Porque é bom sabermos que somos apreciados por desenvolvermos o nosso trabalho o melhor que sabemos, que nos dão valor e que podemos crescer profissionalmente até onde a nossa ambição nos levar.

Depois ficam as saudades, os momentos de nostalgia, as tristezas e as ausências, compensadas por todo o bem que nos levou a deixar tudo. E por isso, somos felizes!

(já há tanto tempo que não te dizia nadinha, shame on me, bem sei)

Um beijinho grande.

Sofia a dit…

Um grande beijinho pelo teu lindo texto!
Sofia