dimanche 28 juin 2009

Casamento há 40 anos atrás...



Segundo o Padre Campos, o casamento não é como há 40 anos atrás (pois... nem o casamento, nem nada...).

Há três formas de viver com o outro, prossegue ele: pela união de facto, pelo civil, ou pela Igreja. Claro que a estabilidade é crescente nesta ordem.


Hoje em dia, confunde-se Amor com Paixão: a Paixão dura 18 a 20 e tal meses, e depois acaba e as pessoas fartam-se (já há meses definidos e tudo!). O Amor é crescente a cada dia que passa...


Mas a melhor parte, foi onde ele contou a história de um senhor que dizia que no início do seu casamento, bastava tocar no tornozelo da sua mulher para se excitar todo; agora, podia tocar em todo o seu corpo, que não lhe surtia tamanho efeito. No entanto, quando a sua esposa sofria por algum motivo, ele também sofria e partilhava do seu sofrimento.


Bem, aqui... Fiquei sensibilizada. Eu a pensar que a conversa ia descambar, e no entanto... Pronto.


Aqui estão boas dicas para um casamento feliz, hein?


3 commentaires:

messy a dit…

União de facto não porque não há bebedeira matrimonial oficial e eu não gosto disso assim. Casamento não porque é muito pomposo e para inglês ver (sim, seria uma cerimónia religiosa, não estivesse tudo a pensar só na festa). Civil é QB, vai ser isso. :D lololol

Isto, se existir realmente por aí um purpurino pra esta purpurina x)

Beijinho deepzinha*

siceramente a dit…

so brutalissmo eheheh :D
Tambem quero casar à igreja para ter um padre que depois conte a minha historia a toda a gente !

Anonyme a dit…

a estabilidade de uma relação entre 2 pessoas também se pode medir consoante seja união de facto,pelo civil ou pela igreja? :S espero bem que essa seja a opinião do padre Campos, mas não a tua também.
essa é uma ideia antiquada, como se pode provar com o continuo aumento do numero de divórcios.
nem sempre, casar pela igreja é sinónimo de maior estabilidade da união de um casal.
numa coisa concordo, o casamento não é como há 40 anos atrás.
acrescento eu,já não é igual nem o bom casamento, nem o menos bom, pois,como tu também disseste,
já nada é igual há 40 anos atrás, o que leva a que as pessoas também ajam de modo diferente,
inclusivé no modo como lidam com Amor, Divórcio e o papel do homem e da mulher numa relação.
quanto à história final, muito bonita! muitos de nós,
desejam,quando a velhice chegar, poder viver esse tipo de situaçoes, depois de um ''namoro' de muitas décadas.
Jinhos e coiso i tal!! :-))

ass: fura casamentos